Voltar

“Qualquer governo sangra”, diz Moreira Franco, em entrevista ao Correio

25/06/2017 - 11:06
O Jornal Correio Braziliense de hoje destaca a entrevista em que o presidente da Fundação Ulysses Guimarães, ministro Moreira Franco faz um panorama sobre o momento atual. O empenho do governo federal em aprovar as reformas: a modernização trabalhista e a reforma da Previdência, que é vital para um ambiente fiscal que gere confiança interna e externa.

Denise Rothenburg , Paulo de Tarso Lyra

Um dos principais ministros do governo Temer — e que, como o núcleo de poder governista, também é citado na Operação Lava-Jato —, Moreira Franco defende que a missão do Executivo é evitar que a crise política volte a contaminar a economia. Para ele, neste momento em que os indicadores econômicos dão sinais de recuperação, não dá para que tudo seja tragado novamente pela turbulência que não passa e que não há sinais a curto prazo de que vá melhorar. “Qualquer governo sangra. O problema maior é ter milhões de desempregados. Agora que estamos recuperando o emprego, a renda, você voltar a uma situação de depressão da atividade econômica e da esperança é que é grave”, disse ele.

Em entrevista exclusiva ao Correio, o titular da Secretaria-Geral da Presidência reclama que o país vive um período de radicalização nas relações institucionais. Cita o ineditismo de uma denúncia apontando que o presidente é chefe de uma organização criminosa. “Você acusar um presidente da República de comandar uma organização criminosa é um negócio muito grave. É preciso que se tenha provas muito robustas. Isso não é começo de conversa, é fim de processo.”
Conselheiro do presidente de longa data, Moreira tenta minimizar a derrota na tramitação da reforma trabalhista na Comissão de Assuntos Sociais (CAS), mas reconhece que o resultado surpreendeu. Elogia o PSDB como aliado, mas diz que o governo não vai ficar dando chilique por crises com os aliados. “Quem quiser participar do governo participa. Quem não quiser não participa. É um direito”, afirmou.
Leia na íntegra: http://bit.ly/2t92cMf

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.
Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie.



Deixe um comentário

O seu e-mail nunca vai ser publicado. Campos obrigatórios *

*
*